19 de dez. de 2020

“As mil partes do meu coração”, com ou sem Merit

Por Iasmim Assunção

As mil partes do meu coração é um romance publicado em outubro de 2018 pela editora Record. Colleen Hoover, a autora, escreveu best-sellers n°1 do New York Times, e seus romances se encaixam no gênero jovem adulto e/ou novos adulto. Inspirada por uma letra de música, “decide what to be and go be it” (decida o que quer ser e seja), Colleen escreveu sua primeira novela, Métrica, mas inicialmente não tinha a intenção de publicar. Ela vive com o marido e os três filhos onde cresceu, no Texas, e formou em Serviços Sociais, além de trabalhar nos Serviços de Proteção a Crianças.

As mil partes do meu coração conta a história de Merit e sua família peculiar. Merit Voss não vive em uma casa normal. Com três irmãos, Merit mora em uma antiga igreja reformada, mesmo o pai sendo ateu. Além disso, a mãe, curada de um câncer, mora no porão da igreja e a nova esposa do pai de Merit no andar de cima. Ambas se chamam Victória, e a ex-amante era enfermeira da esposa. Aliás, um dos irmãos de Merit (a criança mais nova) é fruto do relacionamento do pai e da nova esposa, que é fortemente odiada pelos enteados mais velhos. Merit se sente uma estranha na família, principalmente porque coleciona segredos de todos ali. Ela também coleciona troféus por cada vez que passou por uma situação humilhante ou falhou.  

Mesmo com a casa cheia, outros dois personagens importantes passam a morar com a família disfuncional: Luck, o irmão da ex-amante, e Sagan. Merit esperava que o primeiro acréscimo, Luck, um garoto excêntrico de cabelos verdes, melhoraria a situação familiar; mas Luck apenas traz mais problemas. Ele tem uma relação quase que inexistente  com a irmã mais velha e ficou anos sozinho, viajando pelo mundo. Sagan é misterioso, tem o cabelo preto meio picotado e bagunçado, é tatuado demais por ser tão novo. Ele também é o namorado da irmã gêmea de Merit, Honor. Por isso, Merit faz de tudo para lutar contra seus sentimentos assustadores por Sagan.

Desde o início, Merit deseja ser mais parecida fisicamente com a irmã gêmea, mas nunca faz algo para mudar. Apesar disso, Merit é quem mais julga a gêmea. As duas nunca foram próximas, pois Honor gosta de passar seu tempo em hospitais, se apaixonando por pacientes terminais. Mesmo acreditando que Honor é problemática por isso, Merit não comenta sobre o assunto porque acredita que a irmã a odeia. Em certo ponto, Merit larga todas suas responsabilidades, inclusive a escola, e até mesmo fica dias sem dizer nada, só para ver se alguém notaria. Ela se sente deixada de lado e não amada. A falta de comunicação é uma parte importante da história, porque Merit é obrigada a lutar contra um turbilhão de emoções sozinha. Merit não tem uma boa relação com ninguém, mas todos da família despejam seus problemas sobre ela. Está cansada disso, e a ponto de explodir.

É normal para adolescentes reagirem a tudo o que está em sua volta e não terem a maturidade necessária para lidar com uma situação, por isso a saúde mental nessa faixa etária é ainda mais estigmatizada. A protagonista da história é cheia de ressentimentos e atitudes alinhadas com suas emoções. Ela guarda tudo para si e, como é quem narra a história, o leitor consegue entendê-la muito bem, mesmo não concordando com suas ações. Aliás, o livro é cheio dessas atitudes adolescentes inconsequentes que nos deixam com raiva, mas, no caso de Merit, é fácil perceber que tudo estava ligado à falta de apoio e estrutura. 

Não é só com Merit que atitudes depressivas são abordadas. A mãe de Merit tem uma fobia social e não sai do porão, mas se arruma sempre que seu ex marido desce para vê-la. 

Desde o início do romance, Sagan desviava de qualquer pergunta e era um tanto distante. Por isso, é difícil gostar dele no começo, pois conhecemos muito pouco de sua personalidade; mas ele é um personagem que também tem um passado marcante, apesar da demora para desenvolver sua história. A autora fez isso porque, mesmo Sagan sendo importante para as autodescobertas de Merit, a protagonista não poderia ficar com alguém se não estivesse bem consigo mesma. A história de sobrevivência de Luck também é essencial para Merit admitir que precisa de ajuda. Ele foi um apoio, mostrou a ela que estava tudo bem aceitar suas diferenças.

O cenário se resume à antiga igreja/casa, porque a história é realmente sobre interações. Por a família ser tão reclusa e singular, uma imagem ruim é reforçada sobre eles para os vizinhos, mas as aparências não começam a descrever a realidade conturbada das pessoas que vivem na mesma casa mas não se conhecem. Os problemas psicológicos de cada um dos personagens não vão se curar sozinhos,  por isso a autora gera tantas discussões no romance. Os acontecimentos trabalham para chegar ao foco principal, que é o perdão, a superação e o desenvolvimento pessoal. Colleen tenta emocionar o leitor e abrir nossos olhos para a beleza da vida se escolhermos viver corretamente e não irmos pela solução mais fácil.


Livros podem ser enviados a’O Bule! a fim de serem resenhados. Caso se interesse, entre em contato: coisasprobule@gmail.com

Nenhum comentário: