28 de abr. de 2021

Quando a magia diz adeus

Por Adrianna Alberti

Seu nome é perpétuo

Quando o dia se abriu, depois de tanto tempo de nuvens cinzas, timidamente ela preparou o jardim: balões coloridos, toalhas de mesa bonitas, tendas esvoaçantes e sorrisos cheios de boas intenções. Eles trariam as comidas, bolos, refrigerantes, salgados e docinhos mil. Ela confiava, eles estariam lá para quando ela resolvesse exibir o vestido mais caro e as cores mais vibrantes. Mas, então, por intuição, antes de ver o sol despontar no horizonte, ela se sentou na maior mesa, acendendo a vela de comemoração sozinha, rodeada de estrelas e silêncio, cancelando os festins.


 Baile de máscaras

Há três máscaras, a do orgulho, a da nostalgia e a da curandeira. A primeira ela veste sempre constrangida, desacostumada a ostentar o ouro, os louros e a vitória – essa, ela deixa para usar quando sabe que todos estão distraídos demais e não será observada. A terceira é sua alcunha, ali sempre apta, disposta e a postos – nessa, carrega tudo, desde as ervas à sinceridade, sua história pincelada em aquarela e grafite, desde os dedos sujos de terra às marcas da guerra. A segunda, a única que nunca tira, deixa as ranhuras marcar a face, a madeira misturada com a pele, cravando dolorosamente cada final de dia que ela abraça, esperando a morte.


 Quando a magia diz adeus

A maior mentira que nos contam é que criaturas místicas morrem quando deixamos de acreditar nelas. Faz sentido apenas quando você para de buscá-las, pois é quando elas param de surgir. Mas cá estou, fechada em um quarto, sendo crente, observando-o aguardar. Pelo quê? Já não lembramos. Enquanto eu rezo em busca de algo que possa pará-lo, ele despe sua roupa acetinada, dobrando-a com cuidado. Abaixa-se no meio do quarto, cabelos caindo em ondas pelo chão, sorrindo como se me pedisse desculpas. Eu imploro mais uma vez, mas isso não o impede. Ele se despede, raiando como o dia, com um silvo baixo no ar, finalmente desistindo de esperar. O pó brilhante que explode cai como cinzas no tapete.

Nenhum comentário: