17 de jan. de 2021

Poemas de Edson Braz (In memoriam)

Fazer

Faço algo que não sei o que é
que não cobiço e nem careço
Porém, mesmo assim faço
e fadigo
Ao fim do dia assisto tv
estirado no sofá
e rumino o meu inútil fazer
Pelos cotovelos
falo dos nós que desato
enquanto almejo a noite
que ateia seu torpor sobre mim
O silêncio se cala
O meu corpo se abandona
Os meus fantasmas me açoitam
O meu sono me acode
E o dia amanhece
Para que eu possa novamente
o meu fútil
fazer.


Ocaso

O caso é o seguinte:
o caos não chegou por
 

acaso.


A vida

As janelas fechadas
As portas abertas
Posso ir e vir
Porém
Sonhar eu não posso.
 

É assim.


A triste história de um poema

Era um poema
que como eu
amava a rima
e o José Bronteu
 

Era um poema
que como a navalha
cortava sem sangrar
a carne do canalha

Mas era um poema
proclamando desgraça
Dormiu e acordou
no banco da praça
 

E esse poema
tão ferino e roto
pagou seu delito
lançado ao esgoto

 

Rotina

A gente se acostuma
contudo

não deveria. 


Arcano

Mergulho nas águas profundas e turvas sem me molhar
Submerso em meus temores e pesadelos, não expiro o
ar de meus pulmões prestes a explodir

Não há peixes, cavalos marinhos ou algas
Não há carcaças de navios piratas naufragados
Não há sequer tubarões famintos ou polvos abobalhados

Há apenas trevas teimando em ser cada vez mais trevas
O sol e o céu azul, a lua e as estrelas
os sons, as vozes, as canções – Onde estão?

Sou carreado por correntes marinhas que, por sua vez,
não me levam a lugar algum, embora me arrastem
Tento me recordar do que deixei alhures, mas tudo

se esvaiu como a fumaça de meu último cigarro
e o gole de minha derradeira aguardente. Não amei
mulher alguma a ponto de sentir saudade, apenas tesão

Minha tentativa de pronunciar algo nesse momento solene se torna
borbulhas de ar, o que é muito mais do que as anteriores, cujas
palavras se perdiam no vazio, invisíveis, inaudíveis, ininteligíveis

As vozes que já ouvi tentam em vão me dizer algo, mas nada
remanesceu de tudo o que escutei e tampouco de tudo o que falei
Devo estar chorando, mas como saber, submerso e impermeável?
 

Indefeso e indeciso, rompo em braçadas e pernadas rumo a
um lugar que cintila ante meu olhar de louco, ou de peixe
morto... e meus pulmões prestes a explodir.

 

Edson Braz nasceu em Juiz de Fora-MG, em 22/10/1957. Cursou, sem concluir, Letras e Psicologia. Publicou trabalhos em jornais alternativos e antologias, destacando Banco de Talentos-2001 (FEBRABAN) e Poesia em Movimento-2002 (FUNALFA). Publicou Poema(s) em vão (Ed. Scortecci, 1989), o livro de contos O tombo e outros acidentes (Editora Penalux, 2013) e o romance Queda livre (Big Time Editora, 2016). Tinha um romance e uma coletânea de textos em fase de conclusão, além de poesias “engavetadas”, como se dizia noutros tempos, projetos que pretendia concluir até o próximo lockdown. Faleceu no dia 13/12/2020 por Covid-19.

5 comentários:

Milton Rezende disse...

meu amigo Edson Bráz da Silva nos deixou pelo covid19. cara, pô,
esperasse mais um pouco...as vacinas (parece) que estão chegando. mas, mesmo assim, agora, já não chegarão a tempo de salvar o homem, o escritor, o amigo de longa data e de muitas lembranças. meu padrinho de casamento e parceiro literário desde os anos 1980.
sim, meu amigo, o tempo está passando célere como os pássaros e levando as nossas plumagens e deixando os nossos cantos secos e surdos como o som de um tambor africano. o mundo vai ficar mais pardacento sem a sua presença. já está, e você sabia disso e nada pode fazer para aclarar a escuridão trazida pelas urnas de 2018.
vá em paz que aqui "jeito a gente ajeita, tem que se acabar", fica bem com Deus.
receba o meu abraço etéreo, eterno, para que não esqueçamos e saibamos referenciar os nossos entes queridos que se foram no rastro desta tragédia absurda, desproporcional e algo surreal que recaiu sobre a humanidade com seu manto negro. (13/12/2020)


Milton Rezende

Joseneas disse...

Saudades eternas de familiares e amigos, merece todo reconhecimento e homenagens:
Edhimais
Ser humano e servidor público exemplar,
Escritor de prosa e poesia, homem de paz
Filho, irmão, esposo, tio, padrinho e cunhado perspicaz
Edhimais a saudade de você Edson Braz
Carinhosamente chamado de Edinho pela família
Churrasqueiro de mão-cheia, roqueiro e torcedor do tricolor fluminense
Quanta falta você faz, meu amigo Edson Braz
Você partiu desta para outra, inesperadamente, o que dói mais
Mais uma vítima do coronavírus e dos governantes bestiais
Nos deixou um legado de amor, amizade e leveza
que conquistou a todos com honradez e presteza
Edinho, Edhimais a falta que você faz
Jamais será esquecido de nossas mentes
Seja em um churrasco, nas festas da vida, nos dias cor cinza
ou na euforia de um show da banda preferida
Quando formos saborear uma cerveja
Na hora do brinde vou bradar
Edhimais, Edson Braz, a falta que você faz

Joseilda Pinheiro disse...

Que a memória do nosso querido Edson esteja sempre viva pelos seus livros e pelas boas lembranças deixadas. Que Deus conforte o coração da minha prima Risalva.

Unknown disse...

Edson,colega de Justiça Federal, compadre e amigo desde 2006, pessoa de caráter inabalável, deixa muita saudade e grandes ensinamentos.

Unknown disse...

E nos deixou o poeta, o amigo que tanta alegria compartilhou conosco! Quantos encontros e prosas boas! Quanto aprendizado adquirido com esse cara! Fica o lindo legado do poeta, do sujeito família, do esposo da amiga Risalva. O mundo está diferente! E como dizia o poeta, a gente se acostuma (com tudo) contudo, não deveríamos. Aquele abraço, meu amigo!!