29 de nov. de 2020

Poema de Milena Martins

MINHA estatura muito baixa,

E uma extrema incapacidade

De entender

Duplos sentidos

Me jogaram à vida

Sob a alcunha de

Ser menor.

 

Seres menores não respiram fundo

Porque ar é merecimento.

 

Não devem deixar nunca

De pedir perdão

Por expor o atraso

Chegando cedo.

 

Por via das dúvidas,

Um quarto escuro e um sorvete a sós

São mais indicados

Que um amor eterno.

 

Mas, porque mentiras são contadas

Desde muito cedo

E pequenez é condição obrigatória

Da vida na Terra,

 

E porque três décadas e meia perdendo

Na dança das cadeiras

Do São João

Me deram

Uma terrível vontade

De tirar os sapatos.

 

Chego à recente conclusão

De que deve haver cadeiras vazias

Em alguma outra sala,

 

Onde haja ar bastante

Pra eu soluçar durante o choro.

 

MILENA MARTINS é mestre em literatura brasileira pela Uerj e tradutora. Autora dos livros Promessa Vazia (2011) e Os Oráculos dos meus Óculos (2014). É também cantora e compositora, autora do EP Flamboyant (2018) e ex-vocalista de bandas de metal que deram errado. Publica poemas, fotografias e pinturas no perfil de Instagram @oraculos_dos_oculos, onde também oferece dicas de anonimato perpétuo e debocha de si mesma. Contato: milenamartinstradutora@gmail.com.

2 comentários:

Milton Rezende disse...

Milena Martins, grata surpresa na poesia.

Milena Martins disse...

Muitíssimo obrigada pelo comentário, Milton!