3 de jul. de 2020

Parágrafos

Por Ricardo Novais


Primeiramente, cumpre explicar o título: Parágrafos. Não há explicação possível, leitor aborrecido; digo-lhe apenas que a vida são os parágrafos, uns mais longos e incisivos, outros bem curtos que queimam como se estivessem expostos ao fogo – e por vezes são alegres e agradáveis. Com a licença de usar aqui recurso de bruxo, daqui até o final do último parágrafo do conto, se não tiver outra ideia, vai este título mesmo.

 

Feita a advertência, exponho o primeiro parágrafo... Quer dizer, este já é o segundo parágrafo, mas isto não vem ao caso, pois que nenhum leitor deve acreditar no autor e este também não tem muito dom para a aritmética. De todo modo, a vida passou a ser um pequeno parágrafo estacado dentro de ampla quarentena.

 

O governo achou bom suspender meu contrato de trabalho, mas não mexeu uma palha para suspender a cobrança de meus boletos, do depósito do aluguel, da prestação do velho Peugeot usado e dos impostos sobre a cerveja. Arrumei um subemprego confeccionando máscara caseira de proteção respiratória em meio à pandemia de Coronavírus e passei a camelar fazendo entregas pelas ruas contaminadas de São Paulo.

 

Máscaras personalizadas, de banda, de filme, de série, de todo lixo da efêmera cultura pop. Mas, ao término do expediente diário, a verdade é que a renda das vendas mal pagava um bauru com uma Coca KS. Ao final do primeiro mês da quarentena percebi que não conseguiria arcar com a pensão alimentícia que tinha prometido em juízo.

 

No meio de uma semana andando pela cidade esvaziada devido ao surto de Covid, passei numa esquina de uma boate da luz vermelha, típica da zona sul, e vi um belo par de seios numa janela entreaberta. Seios volumosos, lascivos. Peitos exalando odor de quarto limpo com lavanda. Se aquele perfume tivesse aspecto mais físico seria o de um sorriso fugaz dentro de uma canção do Bryan Adams.


 

Durante duas semanas passei na mesma esquina sem ter uma encomenda sequer para entregar na região, mas já entrava na casa de Graciele e seus fartos seios. O isolamento social dela era eterno, a desgraçada vivia um caso falido com um policial militar que, quase sempre, não comparecia para satisfazê-la; ora, se há desejos difíceis de cessar...

 

O amor, ah! o amor, leitor, este magnífico suicídio que a alma comete; e conferindo o nó da corda três vezes antes do enforcamento. Por amor me envolvi com a puta de uma autoridade da lei. Coisa do imponderável!

 

- É assim mesmo, Julinho... Vida grande, Julinho, é vida de dor! – exclamou, sorridente, Graciele, leve com o seu andar de prostituta no céu.

 

A absoluta verdade, dona leitora escandalizada, é que o medo de qualquer vírus é menor do que o de escrever este outro parágrafo, até porque vendi tanta máscara que há de cair agora a minha; pois me lembrei, agora, que, no ninho do bordel do amor, em cima de um criado-mudo que, se não falava também não poderia ouvir, havia uma arma, o 38 do policial corno. O revólver servia de testemunha, quase letal, da alucinação da quarentena.

 

Sabe, meu amigo que me lê, um homem pode dormir por dez milhões de anos que, quando acordar, os dinossauros ainda estarão sobre a face da Terra plana. Porque o amor é assim, sempre regresso e perigoso... Amor vivo ou morto. Graciele julgou me matar em minha sutil aventura boêmia. Olhei tanto para frente e o tiro veio por trás.

 

Graciele vingou o policial corno, o seu digníssimo macho cidadão de bem. E eis que o fim de tudo é como o voar de uma solitária borboleta em plena cidade quase vazia. Contudo, como sabe até a leitora apaixonada mais desavisada, nem toda lagarta vinga borboleta e o último parágrafo fica para pagar a pensão alimentícia.

Um comentário:

Anônimo disse...

Me vi ali...num roteiro de filme de Nelson Rodrigues.
Um retrato do cotidiano estranho que muitos de nós estamos vivendo...
Tempos modernos,tempos estranhos!