11 de jul. de 2020

Os reis em pedaços


Por Iasmim Assunção

Rei de Palha, título traduzido do inglês The Wicker King, foi publicado no Brasil pela editora Plataforma21, em maio de 2018.  K. Ancrum, a autora do livro, cresceu em Chicago, nos Estados Unidos, e “passou noites realizando experimentos literários e passeando com sujeitos desagradáveis, como estudantes de poesia”. Kayla é conhecida apenas por Rei de Palha, um livro que mistura romance contemporâneo, thrillers de crime, mistério e suspense. 

O romance conta a história de dois adolescentes do ensino médio, mas August Bateman e Jack Rossi não são normais.  August é um adolescente piromaníaco, pois ele necessita do calmo incendiar para parar de tremer (há uma cena que mostra claramente August em meio a um ataque de pânico na escola e sendo punido por queimar livros no estacionamento), e ele queimaria por Jack. A amizade dois dos nasceu na infância, mas eram diferentes em níveis estratosféricos no sistema de popularidade do ensino médio estadunidense, por isso, ninguém sabia que se conheciam melhor do que qualquer um conhece qualquer um.

Jack estava ficando louco. Completamente. Ele era a estrela do time de rúgbi no colégio, e tinha o lance de cabelo claro/olhos cinzas que deixavam todos malucos. Era forte e musculoso, e gostava de colecionar, consertar e criar pequenas máquinas e esculturas. Para August, sua palavra era praticamente lei. Até começar a ter alucinações vívidas de um mundo fantástico que criou com August quando criança: os garotos corriam no campo, na floresta e no riacho, fugindo e lutando contra monstros imaginários em uma brincadeira chamada os Dois Reis, onde Jack era o Rei de Palha e August, o Rei de Madeira.

Os dois não tinham ninguém além de si mesmos. Os pais de Jack sempre estavam viajando e a mãe de August sofria de uma Grande Tristeza Desmedida; August vendia drogas para sustentar sua casa e, às vezes, tentava afugentar o pensamento de que sua mãe havia ficado doente como uma preparação para ele cuidar de Jack sempre que precisasse. Havia uma parte de Jack reservada para August, uma versão assustadora, exigente, que usava da força para levar August aonde quisesse.

Em uma trajetória sombria, lutando pela própria sanidade contra os monstros pavorosos de uma vila medieval que ninguém mais enxerga, Jack acha que as alucinações acabarão quando ele completar o jogo que começou com a brincadeira dos Dois Reis e salvar o povo do malvado Rei Fendido e seus monstros. O povoado confia no Rei de Palha, Jack, para destruir o Extasiante Azul, uma pedra que pode dar o poder que o Rei Fendido precisa. 


(K. Ancrum, a autora)

Jack Rossi se recusa a contar a alguém, e acha que August não entende porque não está acontecendo com ele. August Bateman crê que deve tudo a Jack, por ter salvado sua vida anos antes quando August se afogou no riacho, e, por isso, sente tudo que o Jack sente. August procura respostas, fica sem dormir, não consegue comer, e também está maluco. Ele gosta de ser dependente psicologicamente de Jack.

O livro aborda temas como pânico, depressão; expõe diálogos verdadeiros e narrações profundas na terceira pessoa, em capítulos curtos, de até, no máximo, duas páginas. Rei de Palha aponta famílias desestruturadas e ausentes e como os dois rapazes devem lidar com seus problemas sozinhos, já que poucas pessoas parecem se importar e algumas, mesmo convivendo com os meninos, não notam/percebem que algo está errado. August e Jack são interdependentes, eles são obcecados um com o outro por não terem um suporte e não se sentirem seguros. Eles se acostumaram com o caos.

Jovens que crescem sem serem ouvidos, em lares e relações destrutivas, e não têm em quem se apoiar; adolescentes sem ideia do que fazer com a vida, que se sentem perdidos e fracassados. Citando K. Ancrum, eles não estão falhando, alguém falhou com eles. As pessoas que escolhem não interferir, as pessoas que julgam, o governo que não oferece sistemas de apoio, todos – é disso que a obra trata.

O livro deixa claro a crueldade da vida: nossos corpos são capazes de aguentar um número finito de estresse antes de entrar em crise. Mas, como Jack e August, temos que tentar fazer o nosso melhor, lutar por nós mesmos, pedir ajuda e alcançar o crescimento e um local de paz e bem-estar.

* Onde comprar o romance Rei de Palha: Amazon.

** Livros podem ser enviados a’O Bule para serem resenhados, cabendo aos editores a seleção. Tratar pelo e-mail coisasprobule@gmail.com

12 comentários:

Anônimo disse...

Aaaa eu amo esse livro! <3

Miguel disse...

Deu até vontade de ler

Unknown disse...

Depois dos comentários, vou ler.

D. Garcia disse...

Excelente resenha! Um estilo narrativo empolgante que estimula a curiosidade em conhecer a história do livro. História essa que parece contar com detalhes a vida de muitos jovens de hoje, neste tal mundo intitulado moderno, em que muitos são lançados à própria sorte. Deste estilo de resenhista crítica e profunda sairá, sem dúvida, uma escritora com talento internacional. Parabéns! Que venham muitos outros trabalhos com este mesmo elevado quilate!

Iasmim Assunção disse...

Pode ler, vai por mim 😂☺️

Iasmim Assunção disse...

😍🥰 Somos dois

Iasmim Assunção disse...

Muito obrigada 😊 Espero ansiosa para escrever mais n’O Bule ☕️

Iasmim Assunção disse...

👍🏻😊🙏🏻

Unknown disse...

Iasmim Assunção desde de criança sempre foi especial para nós..inteligente agora fazendo parte do Bule Cultural Parabéns suceso vovó te desejo melhor de coração💗💗😍😍😍

Edgard J. S. Junior disse...

ótima resenha, não conheço o livro,porém ao final da leitura da resenha me senti como se conhecesse.
E despertou em mim o interesse de ler para compreender os por menores da historia.

Malu disse...

Amo esse livro e a maneira que a resenha foi escrita me deu vontade de ler o livro de novo! Parabéns!!

Mel disse...

AHHH EU AMEI A RESENHA! Tô com muita vontade de ler agr!!