4 de jul. de 2020

e-book do romance 'O boêmio', de Ricardo Novais


Este livro é uma afronta, deliberada, aos leitores:

Quero ver até qual página conseguem lê-lo!

 Prefácio

Heitor tem pressa. O rapaz encontra a sua amiga boêmia, fumante e generosa. Ele é recém-casado, mas já se separou e não decidiu ainda se acredita em Deus; ela uma mulher viúva, que tem uma filha e é ítalo-paulistana.

É fim de primavera. Eles tomam um chope no centro da cidade onde vivem e, lá pelas tantas, resolvem ir a um bar que frequentavam no hodierno passado. Há algo a dizer. Heitor do Lavradio, o boêmio, irá confessar à sua amiga-confidente, a altruísta Sônia Maria, sob juramento de mesa de bar, as suas atribulações mais íntimas e extravagantes.

Sintomático! Entre muitas lembranças e muitas doses de uísque, descubra o que o boêmio confessou em meio a este encontro patusco, o que ele pensa sobre a sua própria iniquidade e se ele alcançou alguma redenção.

Este livro é sobre uma história de amor, mas não é história tão bonita; é uma das histórias mais pavorosas das que já foram contadas pelas terras do sudeste brasileiro.

Que o bom Deus lhe guie por estas vaidosas páginas, já um tanto enodoadas, que lerás...

Boa sorte!

O autor. 

  

ISBN 978-85-62418-78-5

Novais, Ricardo de A. 

 O BOÊMIO, CONFISSÕES DE UM REGILIOSO.

 1. Ficção & literatura. 2. Romance brasileiro. I. Título.

 Capa: Arquivo pessoal.

 SÃO PAULO/SP – BRASIL.

  

Clique AQUI para baixar o romance gratuitamente.

  

Sobre o autor

Ricardo Novais nasceu em São Paulo, uma incomensurável cidade de notas musicais tão poluídas e impuras que nem sempre é possível ouvi-las, quanto mais confessá-las. Costuma dizer que só escreve porque escrever é coisa infinita, ainda que seja somente rótulo. Rótulos podem ser divertidos; superficiais, é verdade, mas bem divertidos. É autor do romance O Boêmio, além dos livros de contos Trem noturno e Perfumes da pátria. Ricardo Novais acredita que a vida e a morte são como um gol aos 45’ do segundo tempo: o último gole é sempre a saideira.

Nenhum comentário: