6 de nov. de 2012

A puta - IX


Não compreendo seus ditos, mas acho bonito gente falando floreado. Dando nó no trapo da língua. O linguajar fica parecendo escultura lá da mão do Carlinhos. Viu o anjinho que ele fez? Só faltou voar. Política não entendo. Vou atrás dele como em romaria, desgastando o resto dos ossos. Romaria não é protesto, é tumulto bonito de se vê. Não tenho filho vivo, a minha mulher morreu de tédio e monólogo, não quero o mesmo destino, embora ainda sonhe em ir pra junto dela. A morte sem uma companhia deve ser muito chata, eu não gostaria de falar comigo eternamente, visitar os lugares em que vivi e não poder ser visto, olhar plantação de longe e não poder matar as pragas, ver meus companheiros e não poder tomar uma cachaça. Tristeza não é feita pra gente, é coisa de cachorro sarnento. Carrapato quando entra na carne apodrece tudo. Cachorro amanhece com a tripa preta enroscada. Filhote nasce com cordão enrolado no pescoço. Eu vou pulando enquanto o couro não salta do esqueleto. Uma hora a folia acaba. Deus arranca nossa fantasia. Quero morte mansa, que venha criança, na ponta dos pés, feito gato beirando a cama. Quando eu abrir o olho, já amanheceu de noite. Sem estrela. Breu, saco de pão vazio. Galopes sem vigílias. O que farei de manhã quando não houver mais para quem contar meus sonhos. Nightmare. Égua da madrugada. A lembrança do infanticídio me atormenta, pare com isso, tem desespero que é feito carniça, é preciso enterrar para que nenhum cão encontre. A saudade quase me matou, não quero ela de novo perto de mim, ela parece foto 3X4 na carteira, não me dê corda, isso é assunto pra outra hora. Um dia, quando eu estiver próximo da partida, talvez te conte como tudo aconteceu, antes disso não, ferida que é muito cutucada cria pus, junta mosca, tem corte que necessita de uma boa sutura. Não insista ou eu acabo perdendo as estribeiras. Foi isso, foi assim com Gaguinho e aconteceu com a maioria, seguiu sem motivo. As pessoas esperam algo que as convença, um pouco ao menos. Sem convicção para que toda essa pintura alucinada, esses pássaros sem pouso? Essa tela povoada de branco? Pobre não pode ver homem vestido de santo. A vila foi perdendo os pés. A distância fez o vento apagar o caminho de volta. A canseira gangrenou os passos pra trás, continuaram seguindo. Tanta parentela do diabo perdida poraí. Eu continuei aqui. Sem identidade, raiz frouxa, tubérculo humano. O mundo é redondo, não é o que dizem? Não gasto sola pra depois voltar com o rabo entre as pernas. Murcho, fruto pendido do pé. Goiaba branca bichada fica preta. Resisti, sou mulher de muita carcaça. Não me perco nos versos, nas linhas vagas, nas redondilhas, na margem de folha amassada. Minha palavra é linha reta. Não me perco nas pernas varicosas de Deus. Homem que fala bonito rimado esconde maldade na alma. Tenho pra mim que os anjos são mudos, não têm língua, não sofrem desse mal. Só os mortos foram ficando tagarelas, marcando trilha. Semente semeada que não dá em nada. Os pregadores foram deixando rasgos nas roupas esquecidas. Se acalme, não adianta pressa, aqui não segue sua lógica, continue sentado na sua cadeira de couro que boi morto não muge. Essa terra tem suas regras, suas leis, sua cronologia, seu espaço, seu espelho. Homem que não se retrata aqui se torna solitário, não dá nó em gravata. Aqui caracol é quadrado e objeto de culto. Já viu moleque matando lesma com sal? É tão perverso ver o tempo encurtando no corpo do bicho. Você é real? Até duvido da sua existência-almofadinha-, ela é muito diversa desse buraco. Você olhou as carcaças que se amontoam lá fora¿ Por que só eu posso enxergar¿ Não queria ter nascido com tantos olhos vigilantes.

Um comentário:

Fernando Rocha disse...

Este capítulo é metalinguístico, é o discurso refletindo sobre a língua convertida em linguagem, como sempre diz o Daniel: "A palavra é uma forma muito pequena".
A comunicação sendo colocada contra a parede, utilizando a própria para tal ato de suposta descrença.
Um narrador driblador, fintando o leitor, provocando-o, tornando-a a personagem à quem se dirige a personagem.
A imagem da lesma é magnífica!Mais uma vez penso que seus textos são para ser sentidos e não entendidos, eles estão para além da linguagem.