22 de ago. de 2012

Oco

Por Daniel Lopes

O homem de barba longa passava ao lado do poço, quando escutou o mais belo lamento ao violino que jamais sonhara. Estancou. "Há alguém aí embaixo?" Gritou. O violino parou por instantes, mas tornou a soar logo a seguir. Então o homem de barba longa chamou na igreja em ruínas e conseguiu uma corda. Amarrou-a numa árvore de grosso tronco e desceu, retornando em seguida com o violinista amarrado às costas. Como não notasse qualquer entusiasmo no rosto do rapaz cuja vida acabara de salvar, o homem de barba longa abriu a boca: "Como é que você foi parar lá embaixo, rapaz? Poderia ter morrido de frio e de escuridão. Não é bom estar de volta e contemplar o sol, e as árvores, e os pássaros?" O violinista descansou o instrumento no chão e respondeu: "Foi no poço que nasci e foi lá que vivi até agora. É da noite, do frio e da solidão que alimento meu instrumento. Como posso agora amar o colorido?" O homem de barba longa acendeu um charuto e balançou negativamente a cabeça. Não achava saudável alguém morar num buraco. O violinista, entretanto, agarrou a corda e desceu outra vez, voltando a tocar assim que alcançou o fundo.

6 comentários:

Anônimo disse...

Metafísico, esse texto é uma obra-prima.
Gláuber Soares

Anônimo disse...

Oba!!!!

Muito bom!!!

Fernando Rocha disse...

Uma bela metáfora do que é o sentimento de criação artística. Não pude deixar de lembrar dos versos do poeta:"E os que olham a beleza/ Não tem bem-estar nem família."

andre albuquerque disse...

Uma bela parábola sobre a criatividade e a condição humana.Violinista no telhado ou no poço,pouco importa.Parabéns,

Dulce disse...

Magnífica escrita!

pianistaboxeador21 disse...

obrigado pelos comentários, amigos.
Daniel Lopes