5 de ago. de 2012

A poesia de Marcos R. B. Lima

 Pequena epifania

“Certa manhã, ao despertar
de sonhos intranquilos”,
a manhã desnoiteceu
latindo sóis e sombras
enquanto almoçava o
desabrochar de uma pétala.
O som do sol
fazendo ruídos incompletos
e soando sem mim.
Assisti a manhã
em terceira pessoa
lavrando fogo e poesia.

Arquitetura do som

E no início foi o som.
E do som, tudo se formou.
Os fios entrelaçaram-se
numa trama tal, elétrica,
e trataram de conectar
cabo por cabo, caixa por caixa.
Caixa por caixa.
Paredes de madeira,
cubo acústico mágico,
a projeção do som
chegando e somando-se
aos fios do corpo central.
Aparelho. Aparelha-se o frontal
cromado, pronto em prata,
e a tampa colocada
com carinho. O som
impresso nas fitas
cassete tem destino.
Sai o som assim,
abafado e depois bem
limpo, leve e lúcido.
A música mais uma vez
é simples. O som eleva.
A música é um sempre mais.

Apontamentos

gosto do lirismo
contido em um pacote de bolachas
(sim, sou paulista
e não digo biscoito).
o pacote tem início
meio
fim
e ainda restam farelos,
migalhas para comer.
como migalhas de BOLACHA,
não como migalhas de AMOR-PRÓPRIO.
“velho Hank, amigo,
um café puro,
bem preto,
sem açúcar,
pra nós dois.”

Marcos R. B. Lima, 27, poeta, graduado em Letras (Português e Inglês) e Pós-Graduado em Português (Língua e Literatura). Publica seus poemas em blogs e revistas literárias enquanto prepara seu livro de estreia. Mantém, desde 2009, o blog Há poesia em cada dia - escolhido em 2011 como o terceiro melhor blog do país na categoria Literatura pelo Prêmio TopBlog.

Um comentário:

Anônimo disse...

Muito bons...parabéns!