5 de abr. de 2012

The end

Por Marcello Fiore

Sentada na soleira da porta com a mochila nas costas admirava ferozmente as marcas de tinta espalhadas pelo corpo. Uma em especial era o retrato dela mesma fantasiada. Um desenho simétrico que contava em si uma história longa e permanente do que havia sido temporário.

Havia esquecido o casaco vermelho no banco de trás do carro dele. O casaco com perfume masculino que ela usava nua nas noites de frio antes de se amoitar num dos cantos do sofá. Nunca mais veria nenhum dos dois.

Estirou o braço e buscou a caixa de chicletes num dos bolsos laterais da mochila. Achou uma guimba de cigarro feito a mão. Riu. Não tinha isqueiro e a caixa de fósforos estava molhada por causa da chuva em que havia boiado voltando a pé de ciúme.

Queria ir para um lugar seco como Martini para poder esquecer, como sempre esquecia depois de misturar Dormonid e álcool. Na mochila que permanecia nas costas tinha estilete novo que havia comprado para recortar os cartões de “save the date” e um saco plástico lacrado com o chumbinho que a Vaca da vizinha tinha tentado dar para os seus gatos.

Precisava de uma solução rápida e definitiva, qualquer que fosse. Olhou as unhas vermelhas que naquela manhã de sábado haviam dormido no peito dele. Como seria o domingo? Havia chegado no limite.

Dúvida. Hesitação. Tirou a mochila das costas, abriu o zíper e pegou as duas alternativas. Quem sabe se combinadas? Pensou. Não tinha tendências suicidas. Era covarde. Decidiu que jamais entregaria a carta que havia escrito para ele dizendo saber onde se escondia sua loucura e o motivo da depressão intensa e persistente.

Levantou-se, abriu a porta da frente e foi encarar a casa. Dele, havia sobrado apenas um par de havaianas brancas e um final de copo com uísque aguado. Dela, um conto aos farrapos.

História e lembrança recorrente dos últimos vinte e sete calendários dedicados a espera de um “Olá”.

Olhou no espelho e se despiu. Nua, viu mais dobras e peles elásticas que não existiam e decidiu desejar pelo fim. Afogou-se no pó de uma pilha de roupas amontoadas no chão do quarto com o livro do futuro em branco nas mãos usando a carta como marca páginas, e chorou sua última gota, certa de que aos setenta e oito anos de idade já não restava muito tempo para suavizar qualquer dor. Naquele momento se arrepender já não era opção.

Marcello Fiore Músico, escritor com tendências filosóficas, jogador de rugby, apaixonado por bikes, corrida e obviamente diagnosticado hiperativo e ansioso...  http://marcellofiore.blogspot.com/

Um comentário:

Roberta Costa disse...

Incrivel!! Amei o conto, o tom da narrativa, as metáforas, tudo!! Parabens pela sua escrita!