27 de abr. de 2012

Dois microcontos

Por Geraldo Lima
Sono

Estava deitada, dormia imersa no REM, quando a porta rangeu de leve, forçada por mão matreira. Um corpo levitou e ganhou o interior da casa sem fazer ruído algum. Não podia vê-lo, apenas sentir seu hálito quente bafejando-lhe a nuca. Enquanto a presença do outro crescia dentro do seu sono, tentava, em vão, reencontrar a voz, os braços e as pernas inutilizados pelo pânico.

Fenda

Era preciso então só começar para que tudo se desarranjasse. Um primeiro gesto, arcaico, corroído pela raiva, quase impensado: a mão que se desprende  do tampo da mesa e se ergue guindada pelo braço longo e forte. E depois um estalo. Um ai agudo que se prolonga na memória durante anos e anos, como uma faca que fosse penetrando lenta e meticulosa a alma, para dentro sempre, no mais profundo do ser, aí, onde o carnegão se formou.
Foi a partir dessa fenda aberta na alma que ela começou a vazar.

3 comentários:

Angela disse...

Antes de micro, eu os chamaria de minicontos, mas o que importa é que estão ótimos, com temas interiores, íntimos e profundos. Gostei muito!

Cynthia Lopes disse...

Amei Geraldo,
ambas as micronarrativas nos deixam em suspense e nos fazem imaginar, desenrolar a história!
Nos deixa interferir... muito bom,
bjs

Geraldo Lima disse...

Angela e Cyntia Lopes, grato pela leitura e pelo comentário. Bom que vocês gostaram. Um abração!