31 de jul. de 2011

Paroxetina

Por Édio Pullig

A História tornou-se história. A Música já não é prioritária; tornou-se, apenas, música. O Amor, agora, é amor – tudo o que não é sólido se desmancha... Aqui estou eu. Predominam a ansiedade, a velocidade, a perda do romantismo, o isolamento, a demanda por...? Nossa, onde foi parar meu tempo livre? Por uns instantes, eu achei que era uma angústia, dentre tantas outras, particular, mas felizmente (ou infelizmente?) esse presente foi oferecido a outros também.

A produção de quadrinhos e seus modelos (americano, europeu, japonês) me são apresentados. Caramba, acabei de lembrar. Preciso dar conta das irregularidades verbais (passado, presente, futuro e imperativo) da língua espanhola. O que faço? Ainda me disseram que durante a semana será enviado, por email, uma avalanche de textos sobre HQ. Que desespero! Como darei conta disso tudo?

Alguém acabou de dizer ao meu lado: “estou doida para ler este livro!”. Que situação curiosa! Este é um dos pensamentos que mais tem transitado pela minha mente, para além, é claro, da loucura e da melancolia (Not long ago but far away, a rainy winter’s day, all her pain she kept inside [...] Both life and love could not be saved [...] please don’t go[1]), que insistem em me acompanhar ao longo dos anos.

Enfim, hoje a literatura transformou-se em Literatura. Os livros deixaram de ser livros. Agora os reconheço por Livros. O que farei? O que pedirei ao gênio da lâmpada? Por favor, um pouco mais de tempo, um pouco menos de informação...

Édio Pullig é graduado em história e pós-graduando em editoração. Atualmente trabalha como assistente editorial no Rio de Janeiro. É, também, guitarrista nas horas livres.



1 - Trecho extraído da música Bloody Kisses, da banda norte-americana Type O’ Negative.

3 comentários:

Paulo Laurindo disse...

Sonho com um dispositivo que, implantado no cérebro, consiga evitar vírus, ruídos e a estática do que chamam hoje de informação.

pianistaboxeador21 disse...

E assim perdemos nossa existência. Sempre ocupados com coisas urgentes e inúteis. Bom mesmo é dormir, acordar, ler um pouco, ver um bom filme e tornar a dormir num dia frio.

Christiane Angelotti disse...

Muito bacana, Édio!
Na urgência da vida,tempo é tudo que não temos .
Gostei da trilha "Bloody Kisses" rsrs

Abração,

Chris Angelotti