6 de jul. de 2011

Mosca morta

Por Marcia Barbieri

Seu sorriso empastado se escancarava em cima da mesa de mármore. Pequenas moscas pretas emprestavam um aspecto carnavalesco a seus beiços de gengivas opacas. Seus dentes escapavam pelas frestas omissas do tempo. As cortinas rasgadas riam da dor alheia. Janela indiscreta. 20 pedras de crack fumadas na lata de coca. É o que recordo daquele imenso dia nublado. Eu acordei com a certeza de que ia chover, no entanto, não choveu e a poeira e o cheiro de carne podre continuou infestando o ar. Continuou trotando na minha face. Um fosso se abriu no meu juízo (o céu da minha boca estava infestado de ratos brancos ou seriam râmsters?????). La peste de Camus.

“essas putinha merece morrer com prazer”. Seu dedo se encharcava na buceta ressecada. O desejo tem lá seus disfarces. Não desanimava, continuava seu trabalho feito um operário obstinado. Revolução industrial. replay. replay.replay.

A moça usava um esmalte encarnado que disfarçava as luas fingidas da mão. Ele não se conformava, era excitante enxergar o roxo das unhas. Tentou roer pra descascar aquela bosta toda. Desistiu.

A vida e a morte eram análogas, cogitava. Um túnel. Uma luz. Um grito. Reminiscências do parto. O sangue. A placenta arremessada ao longe feito uma bola de capotão.

Enquanto socava a vadia, ficava imaginando que aqueles pelos continuariam ali, por anos e anos revivendo orgias. Larvas amarelas cavalgavam elegantes pelo seu ventre. Criavam cascos. Cada fincada derrubava novos insetos. A moça gozava catatônica.

Socava socava socava com força até o leite do seu pau destruir a arquitetura primitiva da vulva inerte.

Vira a moça de costas e continua com um vigor maior. Lúcido. Fica ali, até ver arrebentar do seu ânus mais uma vida de merda.

Moscas mortas pretas ainda copulam no seu sorriso.

4 comentários:

Parreira disse...

O que mais me surpreende nos textos da Márcia é que ela consegue extrair beleza mesmo dos temas mais vis.

Paulo Laurindo disse...

Quando a gente pensa que a Márcia vai aliviar, ela nos soca mais pouco mais com uma marreta de titânio nu e cru. Talvez porque demônios, assim como deuses, custem demais a morrer.

Wagner Bezerra disse...

Hahaha...A alta absurdidade excitante de suas palavras e imagens é extraordinariamente linda! Amo esta resplandecer negro de sua escrita, me fascina demais!! Próximo mês prometo que compro seu livro!


Bjão! XD

André hp disse...

Curti, começou parecendo um diário de fluxo mental meio que rabiscado o cotidiano e a situação atual até no fim ganhar um tom trágico, e erótico - diria.

Abraço! Escreva mais.