1 de jun. de 2011

Resíduo

Fotografia: Daniela Lima / Acervo Pessoal

Por Daniela Lima

E as palavras eram uma tempestade seca, irrespiráveis; estiagem de caminhos, pedras, troncos, estrada de chão; e eu desdobrava a minha solidão diante dos seus olhos – estes, sim, espelhos d’água.

Os cabelos e as unhas crescem e eu não percebo; não percebo o tempo e as vozes que ecoam olás e tudobens sem acabamento. Um tecido grosso cobre as palavras e os sentimentos - os verdadeiros sentimentos adormecem na rotina e: estou bem, e você? Não, não está tudo bem. E o mundo se choca com o meu corpo coroado de limo; com a minha boca que é só fuligem e estilhaços de carvão. Tudo é negro e o universo não silenciou; o universo, meu amor, sempre esteve em silêncio, vê?

Não sei como explicar a aparente falta de contornos entre os dias: véu negro trocando incessantemente de lugar com essa poça de luz. E o meu corpo acompanhando as mudanças com sorriso e entusiasmo de criança; e farfalhar de lágrimas.

[Mas toda a inquietação termina;
a existência que desabrocha em vida,
quando o seu corpo alimenta o meu coração miúdo de pássaro azul
]

Daniela Lima estudou física, jornalismo e fotografia. Já publicou nas revistas Germina, Escritoras Suicidas, Minotauro, Portal Literal, Ficções, dentre outras. Ganhou o concurso Exercícios Urbanos, do Portal Literal, em 2008. Está terminando o seu primeiro romance. Site: http://www.danielalima.com/blog

6 comentários:

Parreira disse...

Daniela Lima: surpreendente, forte.

Anônimo disse...

Maravilhoso.

Família Rolim disse...

Lindooo!! Abraços

Marcia Barbieri disse...

IMENSO!!!!!! O que mais dizer?????

beijos

Anônimo disse...

Tão intenso.
Teus textos sempre me encantam.

Felicidade Clandestina disse...

é sempre bom te ler Daniela.

um beijo!