2 de jun. de 2011

Juca Brasil, herói particular – Parte VII

Deus e o diabo
Imagem de arquivo do autor.


A coisa mais estranha aconteceu na minha sala de justiça, onde firmo e despacho meus serviços de super-herói genuinamente brasileiro. Procurou-me um pastor e contou uma história excêntrica, para não dizer estarrecedora. Pedia-me socorro e desagravo.

- Como vai, Juca? – foi logo dizendo. – Fui enganado por Deus, quero vingança!

- Quer se vingar de Deus?

Esta gente não é fácil, pensei, mas, afinal de contas, foi Ele mesmo que criou... O pastor parecia doido, sangue-no-zóio. Começou dizendo que, num final de tarde claro e alaranjado, entre arranha-céus espelhados e irrefletidos, desceu à Terra o Todo-Poderoso em pessoa vindo na sua direção.

- Ezequiel, meu filho; tens uma missão! – bradou a voz de trovão inesperado.

- Mas eu, Senhor? – espanto diante da Imagem Divina.

- Sim, meu filho! – respondeu a tal voz mediúnica e sonora. – Preciso que tu pregues a Palavra entre os efeminados e homossexuais. É preciso que tu adentres aos ambientes da sodomia...

- Meu senhor, quer que eu vá e caia na promiscuidade?

- É preciso, Ezequiel.

- Se o Senhor quem diz, faço. Mesmo que depois eu tenha que viver eternamente no inferno...

- Não te preocupe, meu filho! Vais dar o cu para salvar os homens.

E assim foi narrando pastor Ezequiel aquela história esquisita, descrevendo o seu encontro com Deus e de como a sua vida mudou dali para frente. Contou-me que, em nome de Nosso Senhor Jesus Cristo, praticou a sodomia com homens que pareciam mulheres e com outros homens da mesma categoria. Por três anos deu o cu desde a zona norte à zona sul da cidade passando de leste a oeste e principalmente na pedra angular central, percorrendo becos e vielas, e por todo o ambiente dos cinco pontos da modernidade citadina, propalando e pregando a Palavra. Palavra Santa, Sagrada!

Confessou-me, no entanto, que num dia percebeu que enquanto ia à direita, sua sombra ia à esquerda. Foi neste dia que lhe apareceu novamente a imagem de Deus.

- Senhor, eu já não posso mais! Fiz tudo que me pedistes, mas sinto que perdi minha alma; dei-me a todos que me pediram, entreguei meu raro espírito condescendente e com ele meu profundo coração indulgente. Não me sobrou nem um pouquinho de...

Bruscamente, disse-me que foi interrompido enquanto fazia suas orações. As lamentações ao ser metafísico, repentinamente, escaparam-lhe; pois, segundo pastor Ezequiel, a figura divina de Deus foi devagarzinho se transformando nos contornos espúrios do anjo do mal. Sem dúvida, viu a efígie do chifrudão diante de si. Asseverou-me que o cheiro de enxofre tomou conta de tudo, evidenciando assim o seu engano imperdoável: tratou com o diabo.

- Há, há, há, há! – o pastor contou que o demônio, todo escarninho, dá gargalhadas assustadoras. – Como você é besta, Ezequiel! – disse o coisa ruim. – Aquele Darwin é um filho da puta! Como pode ter enganado tanta gente? Por isto que ninguém o encontra em lugar nenhum. No Céu ele não está. No inferno nunca deu as caras. Filho da puta mesmo! Há, há, há, há! Ezequiel, você é a prova da evolução da espécie: de macaco a burro! Há, há, há, há, há, há, há, há!

- Cadê Deus, diabo?!

- Não choramingue, seu bundão! Não sabe que Deus não lê jornal? É muita tragédia... Há, há, há! É... Te vejo no inferno, Ezequiel! Há, há, há, há, há!

Pastor Ezequiel contava-me tudo sem gota de lágrima, tinha apenas carregado ao semblante uma resignação untada com ódio cordato. De repente, dirigiu-me o ultimato:

- Juca Brasil, vai me ajudar a me vingar de Deus ou não?

- De Deus ou do diabo?

- Tanto faz, o focinho de um é o rabo do outro.

Não pude ajudar o pastor. É que há coisas em que não se mexe, leitor; e mesmo um super-herói tem lá suas limitações metafísicas... Antes de tudo, sou brasileiro: criacionista e evolucionista, ao mesmo tempo. Que inferno antagônico! Soube que Ezequiel deixou de ser crente em aparições mediúnicas, agora ele atende na pedra angular da cidade pela alcunha de Madame Jeniffer D’Ângelo.

***

* Leia todos os episódios do heróico Juca Brasil AQUI.
Até breve. Bons dias e boas noites.

6 comentários:

Paulo Laurindo disse...

Pobre Ezequiel! Se ao menos houvesse um procon celestial... enquanto isto, o melhor mesmo é relaxar e gozar.

Parreira disse...

rsrsrsrs, gostei do comentário do Paulo. Agora, com a alcunha de Madame Jeniffer D’Ângelo, acho que não vai faturar...

Ricardo Novais disse...

Faturar não fatura, mas tudo é ilusão mesmo... rs.

Muito bom, 'procon celestial'! Hahaha.

Valeu, meus caros.
Abração. =)

Fanzine Episódio Cultural disse...

COMO PARTICIPAR NAS EDIÇÕES DO EPISÓDIO CULTURAL?

O Fanzine Episódio Cultural é um jornal bimestral sem fins lucrativos, distribuído gratuitamente no sul de Minas Gerais, São Paulo (capital), Belo Horizonte, Salvador-BA e Rio de Janeiro. Para participar basta enviar um artigo sobre esporte, moda, sociedade, curiosidades, artesanato, artes plásticas, turismo, biografias, livros, curiosidades, folclore, saúde, Teatro, cinema, revistas, fanzines, música, fotografia, mini contos, poemas, etc.

Contato: Carlos (editor)
machadocultural@gmail.com

http://www.fanzineepisodiocultural.blogspot.com
Facebook: http://www.facebook.com/profile.php?id=1464676950&ref=profile
Myspace: www.myspace.com/tarokid2003

Menina Cris disse...

Madame Jeniffer D'Ângelo foi fueda! Ri muito aqui, Ricardo, rs.

Ricardo Novais disse...

Uma madame incidental, rs.

Beijo, Cris. =)