18 de abr. de 2011

Os colunistas d'O BULE entrevistam André de Leones



André de Leones nasceu em Goiânia, em 1980. Autor do romance Hoje Está um Dia Morto, vencedor do Prêmio Sesc de Literatura 2005, dos contos reunidos em Paz na Terra Entre os Monstros, ambos publicados pela Record, e do romance Como Desaparecer Completamente(Rocco). Passou por Jerusalém. Vive agora em São Paulo.


CLAUDIO PARREIRA – Li há pouco o seu primeiro romance e fiquei impressionado com a liberdade da linguagem. A comissão julgadora do Prêmio SESC – e a própria Record – não implicaram com nada? Ou sugeriram mudanças pontuais?

ANDRÉ DE LEONES – Não tive qualquer problema com a Record. Não me pediram para “amaciar” o texto ou coisa parecida, por exemplo. Em relação à comissão julgadora, bem, o livro foi premiado – é o que importa. Se houve alguma discussão relativa ao teor do livro no decorrer do processo, isso nunca chegou ao meu conhecimento.

CLAUDIO PARREIRA – É muito comum a literatura ir parar nas telas do cinema. Você fez esse trabalho na contramão. Conte pra gente como é que um roteiro “fracassado” pode se transformar em boa literatura.

ANDRÉ DE LEONES – Não foi um processo complicado, do ponto de vista formal. Utilizei o que tinha rascunhado até então, o roteiro, como uma espécie de esquema para desenvolver o romance. Um trampolim. A estrutura estava quase toda ali (exceto pela reviravolta final, quando o narrador aparece como personagem), e o que eu fiz foi me estender mais em alguns trechos ou mesclar diversas cenas em uma única passagem, além de, é claro, sentir-me livre para digressionar, metaforizar etc. Por mais que Hoje está um dia morto seja uma narrativa bastante ágil, desfolegada, a partir do momento em que comecei a desenvolvê-la como um romance, pude me deter nos personagens e situações e em todo aquele desespero com mais vagar. Aliás, a dificuldade maior foi justamente ter de habitar a narrativa e seus personagens torturados por um ano e meio, conviver e verbalizar toda aquela dor. Eu cresci naquela cidade, com pessoas mais ou menos daquele jeito, e algumas inclusive já se foram. Foi uma experiência excruciante, mas, por outro lado, o meu primeiro romance não poderia ter sido outro. Dizendo de outra forma: ou eu escrevia Hoje está um dia morto primeiro, antes de qualquer outra coisa, ou não escrevia nada, jamais. Nada que prestasse, pelo menos.

CLAUDIO PARREIRA – Amores Expressos ainda vai virar algo do tipo Ódios Impressos?

ANDRÉ DE LEONES – Não, de forma alguma. O livro, Como desaparecer completamente, foi publicado por uma grande editora, a Rocco, e está sendo lido. Nada mais importa.

CLAUDIO PARREIRA – Perdemos recentemente Moacyr Scliar, que fez a quarta capa do seu Hoje está um dia morto. Qual foi o impacto dessa perda pra você?

ANDRÉ DE LEONES – Fiquei muito chateado, é claro. Sempre gostei dos contos dele, especialmente dos que estão em um livro chamado A orelha de Van Gogh. Foi uma tremenda surpresa quando descobri que Scliar era um dos membros da comissão final que deu a Hoje está um dia morto o Prêmio SESC de Literatura. Ser lido e premiado por um autor cujo trabalho eu conhecia e respeitava desde moleque só tornou tudo aquilo ainda mais especial. Quando estive com ele, em meados de 2006, ele foi simpaticíssimo. Participamos de um bate-papo promovido pelo SESC em Cuiabá. Foi um prazer ouvi-lo. Infelizmente, não nos encontramos mais..



Geraldo LimaO seu romance Hoje está um dia morto era, inicialmente, o roteiro de um filme. Você pensa que seria possível transpô-lo para a tela de cinema, mantendo a mesma liberdade em relação à linguagem e ao conteúdo? E como você analisa essa questão da adaptação de textos literários para o cinema?

ANDRÉ DE LEONES – Creio que seja perfeitamente possível adaptar Hoje está um dia morto para o cinema. Aliás, um cineasta goiano chamado Robney Bruno adquiriu os direitos há alguns anos e, desde então, vem tentando viabilizar o filme. Em se tratando desse tipo de coisa, a palavra-chave é justamente adaptação. Procurar maneiras de narrar visualmente o que está no livro. Nesse sentido, infidelidades são perfeitamente aceitáveis. A questão é o que funciona na tela. Pensar o filme a partir do livro, claro, mas sem se prender excessivamente ao último.

Geraldo LimaVocê disse numa entrevista ao Programa Entrelinhas que pretende investir em outras narrativas, que está escrevendo um romance cuja narrativa é bem “quadrada”, que “não tem a brincadeira de colocar várias primeiras pessoas”. Isso aponta para a elaboração de uma narrativa mais tradicional, próxima do gosto comum?

ANDRÉ DE LEONES – Eu não diria mais próxima do gosto comum, mas o romance no qual venho trabalhando desde 2009 é, se comparado ao que produzi até aqui, bem mais tradicional, formalmente falando. Quando a história começou a me ocorrer, eu pensei que uma boa maneira de desenvolvê-la seria a uma certa distância, em terceira pessoa. A narrativa já traz uma tremenda carga emocional, e a ideia é justamente explorar essa carga emocional pelo seu negativo, isto é, por meio de uma forma de narrar mais distanciada, “tranquila”. Ainda tenho uns dois anos de trabalho pela frente, mas já posso afirmar que é o meu romance menos visceral, menos desbragado. Estou ficando velho, é claro, mas, curiosamente (e a despeito da minha asma), sinto que o meu fôlego tem melhorado com a idade. Posso tentar mergulhar mais fundo agora.

Geraldo Lima “Por certo que Leones não está nem aí para as nossas míseras opiniões, se bem lhe conheço a posição e o linguajar no seu extinto ‘Canis sapiens’ e em seu romance premiado, lá e cá o ‘palavrão’ expedito, ao modo de Bukowski, mandando o crítico se catar...” Levando em consideração essas palavras do escritor goiano Valdivino Braz, como tem sido a sua relação com a crítica e com o contexto cultural de Goiás?

ANDRÉ DE LEONES Nossa, disseram isso? Pobre Bukowski. Nunca tive relação com o contexto cultural de Goiás, menos pelo contexto cultural de Goiás (seja ele qual for) e mais pela minha própria (e, segundo alguns, charmosa) irascibilidade. Não me sinto bem em contextos culturais, acho. Talvez pela minha asma, sempre ela. Há escritores goianos excelentes: Dheyne de Souza, Wilton Cardoso, Edmar Guimarães e Wesley Peres (este já premiado nacionalmente com seu romance Casa entre vértebras) são os nomes que me vêm à cabeça agora. Os dois primeiros ainda são inéditos em livros impressos.

.


ROGERS SILVA – "Jean acaricia as costas dela, mal e mal os peitos, mal consegue alcançá-los, a bunda também, no que ela acelera o boquete e engole tudo quando ele goza a vinte e dois segundos do fim do recreio" – eis um trecho do seu romance Hoje está um dia morto, vencedor do Prêmio SESC de Literatura de 2005. É surpreendente que um romance com tal linguagem (que muitos considerariam chula) ganhe um prêmio dessa importância. A conquista desse prêmio com esse livro também surpreendeu você?

ANDRÉ DE LEONES Eu fiquei surpreso por ganhar o prêmio simplesmente porque não achava que tinha chances. Mas, uma vez premiado, eu jamais pensei que o livro pudesse ser rejeitado por essa razão específica, pela sua linguagem, digamos, forte. Eu era muito ingênuo. Apenas quando algumas pessoas sinceramente chocadas começaram a me escrever e-mails ou mesmo a me dizer certas coisas pessoalmente, e quando passei a ser tratado por alguns como uma espécie de pornógrafo (quem me dera; pornógrafos costumam ganhar muito dinheiro), é que eu entendi que, bem, o mundo está repleto de idiotas. Por exemplo: já ouvi alguém descrever Hoje está um dia morto como sendo um livro sobre... sexo. Não sobre crescimento, suicídio, ausência de perspectivas ou qualquer coisa desse tipo, mas sobre sexo. Na verdade, eu uso o sexo nesse livro para sublinhar o vazio no qual aqueles personagens estão inseridos. Suas relações são esvaziadas, descarnadas, desprovidas de qualquer significado. Quando não estão fazendo nada, eles estão trepando. Logo, o sexo ali é apenas um sintoma do mal-estar maior que permeia todo o romance. Não há qualquer intenção de, por exemplo, excitar o leitor. Nesse sentido, sou um péssimo pornógrafo.

ROGERS SILVA – "...e é quando Jean experimenta a epifania de saber-se porco, de saber-se gasto, de saber-se morto, de saber-se findo, o que é algo infernal de se saber àquela hora do dia e aos dezessete anos de idade" – eis outro trecho do romance Hoje está um dia morto. Você conseguiu, nesse livro, algo muito difícil de se conseguir na literatura, que é misturar o sujo com o bonito, uma linguagem ora chula com uma linguagem poética, uma trama simples com questões filosóficas complexas. Era um propósito consciente fazer essas fusões inusitadas?

ANDRÉ DE LEONES Sim. Hoje está um dia morto foi desenvolvido como um animal assim esdrúxulo. Há toda essa violência e dor e brutalidade, mas também há um certo lirismo que nasce justamente (e apesar) de todas essas coisas horríveis. Penso em Bjork cantando nas cenas finais de Dancer in the Dark. É desesperador, porque ela sabe e nós sabemos o que vai acontecer, mas também é lindíssimo. Sobre a questão da trama, nunca me interessei (nem me interesso agora) por fazer grandes enredos repletos de reviravoltas. Pelo contrário. Gosto quando nada acontece. Quando nada acontece, há um tumor se desenvolvendo em algum lugar. Vivo dizendo isso.

ROGERS SILVA – Escritor (sobretudo o literato) é um dos poucos profissionais que, na maioria das vezes, trabalha de graça para os seus clientes (leitores, críticos literários, professores, amantes da literatura de uma forma geral). O que você acha de no Brasil a maioria dos escritores, ainda, não conseguirem se sustentar com sua carreira literária? Acha que o escritor deve escrever por paixão à arte e não se importar com os frutos financeiros? Ou, ao contrário, deve se profissionalizar ao máximo, se valorizar como profissional e valorizar sua obra e sobreviver – financeiramente – com seu trabalho?

ANDRÉ DE LEONES – Eu não trabalho de graça. Desde que lancei meu primeiro livro, tomei a decisão de viver de literatura. Claro, seria ótimo viver apenas de direitos autorais, mas isso ainda não é possível. Então, escrevo resenhas e artigos para jornais e revistas, dentre várias outras coisas, mas todas elas ligadas à escrita. Recentemente, fui contratado para escrever uma peça teatral, que, aliás, estreia por esses dias, em Brasília. Acho imprescindível essa profissionalização. Não confio em diletantes.

.


Marcia Barbieri – Há pouco tempo tive contato com o site Copa de Literatura. Achei interessante e cruel. Marcos Vinícius Almeida comparou o seu livro Como desaparecer completamente com Olhos secos do Bernardo Aznberg. Qual foi sua reação ao ler a resenha?

ANDRÉ DE LEONES – Fiquei chocado com alguns dos comentários feitos sobre a resenha. Por mais que eu já esperasse por aquilo, a violência e a burrice de certas pessoas sempre me chocam. Tanto que deixei de acompanhar a competição. Independentemente do que o Marcos Vinícius Almeida escreveu na resenha, nada justifica algumas das coisas que vieram abaixo. Sobre a resenha propriamente dita, por mais que eu discorde de inúmeras coisas ali, creio que ele fez uma leitura digna do meu livro. Ou, por outra, ele realmente se ocupou do meu romance. Acredite, é mais do que a maioria dos resenhistas faz hoje em dia. Eu sou grato e o respeito por isso.

Marcia Barbieri – Marcos Vinícius abre a resenha afirmando que não existe nada mais inútil do que a crítica literária e que a literatura é de uma irrelevância infinita. Você concorda com essas afirmativas?

ANDRÉ DE LEONES – Concordo que, no mundo de hoje, a literatura seja mesmo irrelevante. A vida não vai melhorar.

Marcia Barbieri – Nessa resenha Marcos Vinícius acusa o seu texto de nebuloso: A causa, ao que parece, é o excesso de elipses, frases muito curtas e bruscas e metáforas vazias”. Os novos críticos têm uma tendência a considerar textos bons apenas textos simples. O autor é acusado de usar poética demais, adjetivos demais, literatura demais. Isso me incomoda, porque parece que querem engessar a criatividade e a liberdade do autor e criar uma forma única de escrever. O que você acha?

ANDRÉ DE LEONES Concordo plenamente com você. Qualquer ranço de originalidade é visto como maneirismo, e parece haver uma exigência por um texto supostamente mais “palatável”, que “cative” o leitor médio (esse monstro). Pessoalmente, respeito muito mais um texto que peca pelos excessos. Entre Reinaldo Moraes e Milton Hatoum, por exemplo, fico com o primeiro, embora não goste realmente da literatura de nenhum dos dois. Pelas veias do corpo literário de Moraes, pelo menos, corre sangue. Ele não é um zumbi beletrista ou coisa que o valha. Vive e respira. Os muito tolos e os pouco imaginativos que não me perdoem, mas não existe pecado em fazer “literatura demais”. Muito pelo contrário.

.


RICARDO NOVAIS – Consta que tem vício incorrigível: ler. Quantos livros, em média, você lê por ano?


ANDRÉ DE LEONES Varia muito, até porque não costumo fazer um planejamento detalhado de leituras. Ou melhor: até faço, só não me prendo a ele. Se encontro um autor de que gosto, por exemplo, sigo lendo os livros dele, deixando outros que tinha planejado ler para depois. Em média, leio uns trinta livros por ano. Às vezes mais, às vezes menos.


RICARDO NOVAIS – Consta que a editora Companhia das Letras recusou o seu projeto Amores Expressos. Com base nisto, e ainda insistindo no tema da pergunta anterior, pode-se dizer que grandes editoras caminham, a passos largos, para publicarem somente livros com apelo comercial e que romances mais bem elaborados, como este seu, e mesmo os de autores iniciantes, estão fadados à publicação em pequenos selos virtuais da internet?


ANDRÉ DE LEONES Não acredito nisso. Nunca fui informado dos motivos que levaram a Companhia das Letras a recusar o meu romance, mas essa mesma editora publica inúmeros autores cujos livros não têm lá muito “apelo comercial”: Thomas Pynchon, Georges Perec, David Foster Wallace, Sérgio Sant’Anna, W. G. Sebald, Juan Jose Saer, Bernardo Carvalho, Javier Marías etc..



RODRIGO NOVAES DE ALMEIDAUma pergunta recorrente aos entrevistados d’O BULE... Quem ou o quê você lê hoje, entre vivos e mortos?

ANDRÉ DE LEONES Thomas Pynchon, Cormac McCarthy, James Joyce, Eugenio Montale, Adriana Lisboa, António Lobo Antunes, Philip Roth, Maira Parula, Aharon Appelfeld, Yasunari Kawabata, W. G. Sebald, Javier Marías, Elias Canetti, Bruno Schulz, Fiódor Dostoiévski, Herman Melville...

RODRIGO NOVAES DE ALMEIDAVocê poderia explicar melhor o seu processo de criação? Como é a sua rotina de trabalho? Há uma rotina?

ANDRÉ DE LEONES Quando começo a pensar em um romance, compro logo um caderno e escrevo sobre o livro que pretendo desenvolver. Estrutura, personagens, enredo, esboços. Depois, começo a escrever o romance propriamente dito. Em geral, só passo para o computador depois de ter um bom volume de páginas manuscritas. Daí, imprimo, reviso, reescrevo, volto ao computador, imprimo, reviso, reescrevo. Se travo, volto ao caderno. Não me incomodo de jogar coisas fora. Meu próximo romance a ser lançado (não se trata desse que venho escrevendo desde 2009, mas de um outro que já estava pronto há algum tempo e que deve sair pela Rocco ainda em 2011) chegou a ter umas quatrocentas páginas. Na versão final, é uma novela com cento e poucas páginas. Posso garantir que a versão final é bem mais potente que a versão preliminar “estendida”. Sobre a minha rotina, bem, como eu não faço outra coisa na vida além de escrever (e ler, sobretudo ler), tenho o dia todo para trabalhar nos meus textos. Assim, acordo geralmente cedo, ligo o computador e já começo a trabalhar. Sou meio disperso, então há muitas interrupções: assisto à TV (futebol, telejornais, séries), leio, escrevo bobagens nas redes sociais, blogo, leio mais, saio para comer, brinco com a minha gata, falo ao telefone etc. Aliás, com tantas interrupções, é impressionante que eu chegue a trabalhar em algum momento. Gosto de pensar que sim.

RODRIGO NOVAES DE ALMEIDACom a internet, de uma década para cá, muitos escritores tiveram a oportunidade de revelar o seu trabalho, tanto por meio de blogues quanto de inúmeras revistas eletrônicas, sites, portais e redes sociais, alguns conseguindo migrar para o papel, publicando seus livros. Como você vê, de uma forma geral, o resultado disso, principalmente o tipo de literatura que vem sendo feita no país?

ANDRÉ DE LEONES Vejo de maneira muito positiva. Além de permitir a criação de inúmeros espaços, individuais e coletivos, para a publicação e divulgação de textos, a internet aproxima as pessoas, permite essa troca de informações e de influências. Não saberia dizer em que medida isso influencia a escrita propriamente dita, se é que influencia. Em meu romance Como desaparecer completamente, há um capítulo em forma de blog, mas só o escrevi assim porque queria fazer uso da primeira pessoa de uma maneira que chamasse a atenção do leitor e não o cansasse. (A primeira pessoa é sempre a mais difícil, acho. É curioso que os piores escritores a utilizem de maneira tão indiscriminada e irrefletida.) O que ainda é muito pobre é a discussão sobre literatura que vez por outra tem lugar nos espaços virtuais. Quase sempre redunda em bate-boca, em imbecilidades. Mas, reitero, aprecio bastante a troca de ideias e a aproximação entre os autores que a internet possibilita.



*** ***


Caro leitor, serão sorteados 2 (dois) exemplares do romance Hoje está um dia morto, de André de Leones. Para participar do sorteio:
- Primeiramente, é preciso ser seguidor d'O BULE. Caso ainda não seja um seguidor, aproveite para se tornar um (à direita, em Leitores d'O BULE) e participar do sorteio.
- Depois, vá ao Twitter e poste a seguinte mensagem: RT @obule_blogue Concorra ao livro 'Hoje está um dia morto', de André de Leones. Saiba em http://t.co/AEvM8ef
- Caso não possua Twitter, ajude na divulgação criando uma postagem sobre a entrevista em seu blog. Caso não possua nem Twitter nem blog, divulgue o link d’O BULE, se refererindo à entrevista, em seu Orkut ou Facebook.
- Depois, poste no espaço dos comentários desta postagem o seu email e o seu endereço de Twitter (por exemplo, rogers.silva@hotmail.com e @rogerssilva) ou o link da postagem onde divulgou a promoção. Não esqueça do email, hein!


*** Atenção! A promoção é válida até dia 25 de abril ***

26 comentários:

Lívia Ramirez disse...

http://twitter.com/#!/LikaRamirez/status/59818166041317378
liviaramirezz@gmail.com
@LikaRamirez

Patrick_ED disse...

http://twitter.com/#!/Patrick_ED/status/59820608539729920
patrickgatinhotdb@hotmail.com
@Patrick_ED
Nome de Seguidor: Patrick Eduardo

Bruno Bossolan disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marcelo Rayel disse...

Olá pessoal d'O Bule...

Sempre que posso, quando o trabalho de tradutor deixa (prazos apertados, pesquisa terminológica e outras bossas que comem um tempo danado), passo para ler as entrevistas do blog, em especial tenho grande apreço a nomes que são publicados aqui e que não são tão conhecidos nos meios de comunicação em massa. Isso é tremendamente positivo, podem acreditar.

A única coisa que me deixou um pouco preocupado foi a publicação de palavras proferidas por Marcos Vinícius Almeida, sobre a crença dele sobre a inutilidade da literatura e da crítica literária. A propósito, depois de ter proferido tais enunciados, ele começou sua nova carreria como contabilista? Ele nunca mais mexeu com literatura ou crítica literária? Foi ser contínuo em autarquia pública federal ou o quê?

O pior foi a concordância de Leones. Isso foi mais assustador ainda. Achar que a literatura vai mudar alguma coisa é de uma ingenuidade a toda prova. Chega a dar medo. É muita interpretação sobre literatura quando se esquece do básico da literatura de ficção: contar uma história. Do jeito como a história será contada é onde reside a graça do negócio. Mas, no fundamental, é contar uma história. Eu, como leitor, compro um livro para ler uma história. O resto vem em consequência. Achar que as histórias, ou a morfossintaxe e estilística do autor será de impacto profundo na mudança de comportamento dos leitores, das duas, uma: ou é um manto de ingenuidade ou é arrogância demais. Pior: valorizar ou desvalorizar a literatura a partir daí, sei lá... Não sei o que é pior.

Perdoem-me a franqueza, mas são declarações isoladas como essas que reforçam a enxurrada dos famosos best-sellers e que afastam a massa do público do que conhecemos como literatura de fôlego (ou alta literatura, como queiram). Se o Marcos Vinícius Almeida cravasse a inutilidade da literatura e da crítica literária e no dia seguinte assumisse como enfermeiro padrão em algum bloco cirúrgico por aí, tudo bem. Mas se ele continua lidando com literatura, não tem como encarar isso sem pensar em deboche. Não me espantaria se a massa do público ou quem quer que seja começasse a passar bem longe dos lugares onde ele escreve. Se ele pensa isso da literatura, por que não muda ramo?

Cris disse...

Nossa pessoal, que bacana a entrevista. Eu tenho esse livro do André e de fato é muito bom. A narrativa tem uma espécie de 'fotografia' poética muito atraente. Eu só o achei curto demais, rs.
Gosto muito de aprender com quem já está onde almejo chegar.
Novamente me lembrei que tenho que comprar os outros livros dele, com tantos na lista eu sempre esqueço. Sou leitora e recomendo.
Abraços!

Chris Araújo Angelotti disse...

Gostei bastante da entrevista. Parabéns! ainda não li nada do André de Leones,mas após a entrevista aqui e o programa Entrelinhas, entrou para minha fila dos próximos a serem lidos:).

Cindy Dalfovo disse...

Olá, dei RT, meu user no twitter é @princessmiwi, meu e-mail é no gmail, user cindy.dalfovo.

Penso que o Marcelo não entendeu bem o que o André quis dizer, pois a mensagem dos dois é essencialmente a mesma: o objetivo da literatura não é ser 'útil', 'mudar o mundo', por mais que livros possam afetar pessoas e pessoas, por sua vez, possam mudar o mundo, mas sim contar uma história, ser um lazer, um agrado.

Renata Neves disse...

Que bacana, gostei. Tomara que a história realmente vá para o cinema!
candynata1@hotmail.com
@candygn

Tati disse...

Ja dei meu RT @tatigageti http://twitter.com/#!/tatigageti
tatinha.gageti@gmail.com user name Tati Gageti
torcendo p ganhar aqui, abraços a equipe do O-Bule :)

Roberto B. disse...

parabéns pela entrevista com um dos grandes nomes dessa literatura nacional, além de escrever com uma simples maestria, esse andré de leones é gente fina!

abraços e recomendo muito mergulharem nas obras desse cara!

Unknown disse...

http://twitter.com/pajux paju23@hotmail.com /http://pajux.blogspot.com/

Cláudio B. Carlos disse...

@claudio_carlos
claudiobcarlos@gmail.com

Glória Guimarães disse...

gloriaregia1980@hotmail.com
@gloriarsg

Victor Lima disse...

edsonvict0r@hotmail.com
http://twitter.com/edsonvictorlima

Unknown disse...

thiagobonfa@yahoo.com
@Tchirp

Guilherme Ferreira disse...

guisf@globomail.com
@guillhermesf

Unknown disse...

André, suspeito brutalmente que "Hoje está um dia morto" me atrairá a leitura, pois a temática suicida ou de morte nada mais é do que uma reflexão aprofundada sobre nossas vidas. A carga de humanidade derramada nas calçadas ou nas prateleiras me embalam sonhos, sejam estes coloridos ou em preto e branco. O que não se pode é ser mero zumbi nesse mundo. Salvem os miolos e sucessorte com o livro! Almejo tê-lo comigo em breve.

paolabenevides@yahoo.com.br
@paolarocks

Eduardo Silveira disse...

opa,


edusilveira90@hotmail.com
@edu_silveira

Giovani Iemini disse...

adorei a entrevista. queria mesmo conhecer melhor o andré. já disseram muita besteira sobre ele nas revistas das mídia.

sobre o sorteio... eu até queria participar, mas nem uso o tuitter...

Rah disse...

http://twitter.com/#!/ravigilato_/status/60357249717108737

Bruno Figueiredo disse...

figueiredo.bruno@hotmail.com @carbonno14

Alliah disse...

Concordo plenamente com o comentário do Marcelo Rayel.

Essa mania de querer que a literatura seja um deflagrador da próxima revolução é de doer as costelas.

Em termos de função, literatura é contar uma história.

Mas fora esse detalhe, a entrevista está ótima e o que foi dito sobre o livro do André de Leones conseguiu me instigar.

Abraços,
Alliah.

Twitter: https://twitter.com/#!/AlliahArt/status/61105827397894144
Email: alliah.art.insane@gmail.com

Anônimo disse...

@yuricheats
aegnio@gmail.com

André disse...

Olá.

Em relação ao comentário do sr. Marcelo: eu não acho que a literatura possa mudar coisa alguma, pelo menos não no sentido de "revolucionar o mundo" ou coisa que o valha. Aliás, foi justamente isso que eu respondi. Se houve "muita interpretação", creio (posso estar enganado) que foi da parte do sr. Marcelo. Na medida em que eu considero a literatura irrelevante no mundo de hoje (em termos políticos, sociais etc.), é justamente porque não tenho ilusões de que ela possa ou sequer deva "revolucionar" o que quer que seja.

Noutro ponto, concordo com o sr. Marcelo: além d'O QUE se conta, é o COMO se conta, e (aqui já sou eu falando) essas coisas são indissociáveis. Tampouco penso que esse COMO vá provocar mudanças profundas (sic) no leitor, sejam elas de natureza espiritual, ideológica ou digestiva, até porque seria mesmo muita arrogância minha ter uma pretensão dessas. Na melhor das hipóteses, espero que ambos, autor e leitor, tiremos o máximo proveito (esteticamente falando) do livro em questão, seja ele qual for.

Ademais, agradeço a todos pela leitura e ao pessoal d'O BULE pela generosidade em me entrevistar. Se, por acaso, compreendi mal o comentário do sr. Marcelo, peço desculpas a ele.

Um ótimo feriado para todos.

André.

Jéssica Lopez. disse...

jessicaribrock@hotmail.com
@Jessica_Lrs

Fernando Torres disse...

Bom e velho André. Eu já vi um desses Cadernos dele.

postei no twitter a promoção @novasvisoes