5 de jan. de 2011

Laura

Por Claudio Parreira

Não importa, eu vou. Escalando as costas da tarde, que se precipita feito uma flecha em direção ao depois.
Porque assim tem sido desde sempre: logo cedo a questão me abraçou: você escolhe entre voltar, permanecer ou seguir. Não aprendi a voltar; permanecer é doloroso. Seguir, portanto. É o que tenho feito.
Cada segundo traz nos bolsos o mistério. A aspereza do oxigênio. O suor em chamas. O nome dela é Laura.
Foi num sonho. Laura era um susto. Não pude ver o seu rosto, o seu corpo. Névoa de sono. Mas sim, os sentidos todos apontando pra ela, a mulher.
Quando acordei toda a cama era um oceano. Peixes transparentes no ar. Na boca um gosto amargo de estrelas. Laura era fiapo de sonho, impalpável, mas já existia em mim.
Daí todos os meus dissabores.
- Laura, foi quando eu suava labaredas. No sonho, ela estava no sonho. Viu ela por aí?
Riam de mim. Esse o mal das pessoas: ninguém acredita nos sonhos alheios.
Minha única certeza era uma só. Nunca no meu passado, no meu presente de maneira confusa. Só depois, talvez. Laura só no futuro.
Por isso escalo os calendários com a determinação de um condenado. Não me cabe permanecer aqui. O desespero é hoje, nunca ontem. O sofrimento é agora.
Longa a estrada. Os gatos no caminho. Uma conversa esclarecedora.
- Não sei como ela é – dizem os gatos –, mas tenho amigos que moram lá, no depois. Falam de Laura, Lauras. Depois é cheio de Lauras.
Suspeito, portanto, de que estou no caminho certo. Um homem que acredita na palavra dos gatos. Talvez por escrever.
As primeiras letras também foram difíceis. Difícil subir ao caderno, acomodar-se às dobras das sílabas, domar consoantes. Porque no princípio toda palavra é vertigem. Como as mulheres. Desconhecido azul.
O rigor. Porque as palavras fogem à falta de rigor. Precisam de um braço para contê-las. De maneira que o meu aprendizado com as mulheres começou com as palavras.
Mas eis que agora me vejo aqui sem nenhuma delas. Há tempos não escrevo uma mulher. Laura é sabedora da minha condição. Por isso veio no sonho. Vapor-mulher, a direção que faltava aos meus pés.
Quanto mais avanço menos gatos eu vejo. Os poucos que ainda restam temem falar. Depois é um território nebuloso, eu sinto. Só os gatos mais corajosos chegam lá. Só os homens mais corajosos se dispõem a chegar lá. Depois. Laura não está. Laura é lá.
Econômica a minha paisagem. Uma estrada, só, uma tempestade de girassóis do lado direito, do esquerdo os cardumes: peixes azuis amarelos pretos, tantos peixes – e não dão a mínima para os gatos.
- Não como os peixes sonhados pelos homens – diz um gato amarelo. – Não tenho essa capacidade.
Sonhos particulares. Cai por terra a minha teoria de que os sonhos pertenciam a todos. Não pertencem aos gatos, pelo menos.
- Os nossos são de outra natureza – dizem os gatos verdes. – Basta um sonho de gato para o seu mundo sair do eixo.
O meu mundo saiu do eixo desde que sonhei com Laura. Seria o meu, então, um sonho de gato?
- Só um gato sonha sonhos de gato – dizem os gatos azuis. – Eis aí uma questão a ser considerada.
Vejo Laura pela primeira vez, finalmente. Está ao alcance da minha mão. E ela não é mais névoa, nem sonho.
- Mas você não pode me tocar – ela diz, o sorriso tranqüilo no rosto.
Estendo meu braço e o que encontro na extremidade é uma pata de gato. Meu braço é um gato. Eu sou o gato.
- É por isso? – protesto. – Não sou um gato, não era até há pouco. Estou gato, e isso é diferente!
Laura sorri. Todo o meu trabalho foi inútil. A minha caminhada. Malditos gatos! E agora de nada me adiantam as palavras, são vento.
- Tanto faz pra mim se você está gato ou elefante – ela diz, a voz serena. – Você nunca vai me alcançar.
A tempestade de girassóis. Os cardumes. Laura é o caos.
- Agora – diz Laura, os lábios sorrindo sílaba por sílaba. – Você é agora. Percebe?
Nenhum gato mais. Somos apenas eu e ela.
- Eu sou agora.
- E eu, depois – ela diz.
- Por mais longe que eu vá, serei sempre agora.
- Depois é a minha maldição.
O universo tem essas cápsulas que separam as coisas, as pessoas. Não posso alcançar o ontem.
Laura é névoa mais uma vez. Sempre será. Mas não aprendi a voltar; permanecer é doloroso. Sigo, portanto.

4 comentários:

Anônimo disse...

Achei tão bonito ainda mais leva meu nome, gosto de tudo que fala onde tem meu nome, músicas, poesias contos, talvez por eu gostar como me chamo.Sem demagogia vou dar RT.Abraços

Parreira disse...

Brigadão, Laura!

Também gosto muito do seu nome; não é por acaso que virou título de conto.

E não se acanhe: ricumende para mais RT's.

Buraçus do Parreira!

Anônimo disse...

Obrigada a você Claudio por esse conto me enchi de vaidade.Beijo

Chico Pascoal disse...

Claudio, meu velho, que belo conto. Li-o agora no pós-refeição e foi o que de fato me alimentou.

Parabéns, cara

Abraço

Chico Pascoal