27 de out. de 2010

Minissérie 'Dobras' – Dobra 5

Por Geraldo Lima


Sobre sua cabeça, um enxame de objetos voadores indo e vindo. Embaixo, um frenesi de seres bizarros, uma multidão que se desloca em todas as direções. Ele também se desloca, pois sabe que é só mais um entre os estranhos.

O barulho estridente de uma sirene, vindo talvez no encalço de alguém, o faz instintivamente acelerar o passo, esquivando-se entre os transeuntes, sem que em momento algum esbarre em alguém.

Agora parece estar em fuga e nem sabe por quê. Seu corpo, leve como uma pluma, foi impelido para frente só com o impulso do medo. Mas, medo de quê? Seria preciso parar e refletir sobre esse gesto instintivo, próprio de um animal selvagem fora do habitat. Procura no corpo algum dispositivo que possa ter sido acionado automaticamente apenas com a alteração dos batimentos cardíacos, mas nada encontra. Talvez um chip implantado no cérebro seja o responsável por esse gesto brusco, instintivo, mas como ter certeza agora? Há tantas possibilidades. O dispositivo que o impeliu a fugir pode estar coberto por camadas e camadas de acontecimentos e seria humanamente impossível chegar até ele. Pode ser até algo de muito errado que ele tenha feito e, para se autopreservar, tenha esquecido numa das muitas dobras do tempo. Algo que tenha a ver, inclusive, com a garota de penugem dourada.

Absurdo continuar fugindo assim, quando o perseguido pode ser outro, um mutante ou um humano qualquer, um desses delinquentes que aparecem em todas as épocas.

Freada brusca de dois carros na esquina, imprecações, fúria de buzinas. Um dos carros acelera, canta pneu e sai alucinado. De repente, um misto de loucura e sonho envolve este princípio de noite. Seria preciso se refugiar em algum lugar para escapar deste pandemônio?

Gira sobre si mesmo tentando encontrar uma saída e só então percebe que está em outra rua, em outro tempo, que dobrou uma esquina, atravessou para outra calçada e segue rumo ao sul, como se indo para o sul fosse encontrar um lugar seguro.


>Continua no dia 12/11.

Nenhum comentário: