20 de ago. de 2010

Nacos de Necas & Outras Histórias - 06


1

Reuniu os amigos, construiu quatro paredes sólidas.

E fez o telhado transparente

— pra dormir coberto de estrelas.


2

Sozinho em si mesmo, ele escuta seus outros eus:

um quer ver mundo e atravessar o mar

o outro quer fixar raízes.

Na confusão das vozes ele se perde. Sendo um, é três. Três querendo

ser um. E quando ele tenta falar, uma voz que também é sua vem lá do

fundo:

— Calaboca!


3

— Vou!

— Não vai!

— Volto, então.

— Não pode.

— Por quê?

— Porque não foi.


4

Numa tarde enlouquecida, a fome se encontrou com a

vontade de comer.

Mediram-se as duas, dos pés à cabeça.

— Estou com fome — disse uma.

— E eu, com vontade de comer — falou a outra.

A fome então abriu a boca para dar o bote. Mas a vontade de comer foi

mais rápida.


5

A solidão se lamentava por ser tão só.

A companhia veio então pra consolar.

Nesse dia a solidão deixou de existir.

Agora quem se lamenta é a companhia.

3 comentários:

Geraldo Lima disse...

Bom pra aguardar o fim de semana. Humor leve e inteligente. Gostei.

André HP disse...

Fabulosa sacada da que finda o post.

Anônimo disse...

Genial Parreia.

Encontros e desencontros interessantíssimos.