26 de jul. de 2010

'A renovação' e 'O livro da sabedoria'

Por Emanuel R. Marques
-
A renovação
-
Quando chegou junto do ornamentado portão que dava acesso ao castelo, o ilustre cavaleiro, que se identificou como pertencente à Real Ordem da Existência, foi de imediato inquirido pelo guardião. Pediu autorização para ser anunciado e falar com o rei, pois ouvira dizer que naquele reino a prosperidade e alegria tomavam conta de todos os habitantes. A fama benevolente daquele monarca era conhecida em todos os reinos a ocidente e a oriente.
-
Quando o cavaleiro perguntou se o seu exército também podia entrar, o guardião, que via o solitário cavaleiro sem alguém que o acompanhasse, desconfiado quanto à sanidade mental deste, perguntou-lhe se o seu exército era composto por soldados invisíveis. O cavaleiro, esboçando um subtil sorriso, respondeu:
-
- Já confirmei que é este o reino que procuro. Deixarei os meus fantasmas à porta.
-
O livro da sabedoria
-
Sendo ele o arqueólogo responsável elas escavações, e também devido ao seu interesse pelo misticismo e o oculto, o livro descoberto ficou em sua posse. A sublime encadernação do séc.XIV fora encontrada no interior de uma caixa de ferro minuciosamente selada. A abertura do invólucro foi um momento mágico, pois todos ansiavam pelo desconhecido recheio, e aquilo que encontraram correspondeu às expectativas. Eram quinhentas páginas em latim medieval, mas ele dominava bem aquela língua morta. Quis ser o primeiro a avaliar os textos, pois o aviso introdutório à leitura, na primeira página, logo lhe despertou uma sedenta curiosidade. “Aquele que ler este livro numa sede de ambição, cuidado, pois no final beberá a sabedoria da maldição”.
-
Ele não conseguiu resistir a tão enigmático desafio. Palavras sábias, feitiços, conselhos, rituais e invocações, tudo ele seguiu à regra, esperando a dádiva do conhecimento.
-
Estava já nas últimas páginas, com o dia a exibir os primeiros raios de luz, e o livro voltou a fazer o mesmo aviso, alertando agora para o perigo da invocação do demónio final. Mas ele não ia hesitar tão perto do fim. Após a noite de leitura ritualista, o mágico livro chegou ao fim. Nada aconteceu.
-
A maldição da desilusão abatia-se sobre a ansiedade humana.
-
Emanuel R. Marques - É português, formado em Comunicação Audiovisual. Autor do livro de contos Sui Generis-Contos DeMentes e do livro de poesia Madrugadas indefinidas. Tem colaborações em várias revistas e webzines, tanto em Portugal como noutros países. Participa das antologias Novos talentos fantásticos e Poetas em desassossego.

2 comentários:

Anônimo disse...

Cá estou eu botando em ordem minhas leituras, outra vez. xD

Gostei muito do carater alegórico dos textos. Como os títulos são retomados pelos acontecimentos. Sobre o reino de "A renovação" talvez tenha a dizer apenas que esse local esteja na nossa própria mente.

Anônimo disse...

Fico contente :), pois a ideia é mesmo essa. Apesar de outros textos, entre bons e maus, mais sombrios ou claros, que tento fazer, é sempre mais gratificante quando expomos algo mais intimista e filosófico e alguém acerta na resposta...Tanto "A Renovação" como "O livro da sabedoria" estão na nossa mente;)

Emanuel R. Marques