6 de jun. de 2010

Office 2010

Por Mauro Siqueira

   Brigaram feio. 
Uma discussão daquelas de despertar os vizinhos do lado, mas só ela quem falou – cabeças ergueram-se das baias... No final, o teclado mero periférico: exasperava-se pelo headset. Seria um cliente? Se fosse seria demitida na hora. Seria de ordem pessoal?, uma advertência formal no horizonte. Ailiane gritava, apontava e gesticulava como se na frente do namorado de fato e de direito estivesse. Foi necessária a intervenção da sua supervisora para contê-la – ela parara a produção que nunca pode parar. Uma infinitude de potenciais clientes, cobranças, promoções, concursos, helpdeskers, suporte, consultoria, aconselhamento espiritual, “ligue agora: zero-onze,catorze-zero-meia” de serviços para oferecer interrompidos com sua estranha atitude. À supervisora da tarde, bastou tocar-lhe o ombro e Ailiane entendeu o teatro das atenções que virara (alguém no fundo filmava pelo celular), calou-se um segundo ou dois, respirou fundo, tirou os fones do ouvido, mas não sem antes enfatizar numa voz caps lock de ser “Chega, acabou. Você não existe mais pra mim: vou tirar você da minha existência” bem perto do pequeno microfone. 

(alguém no fundo do escritório, timidamente, aplaudiu).
No banheiro, podia ouvir a sinfônica de blips e trims e vozerio das centrais telefônicas e seu títeres; ainda estava exausta, o rosto lavado e ainda um pouco úmido; na mão, a folha azul-bebê – fora mesmo advertida. Olhou bem para si no espelho. Era bonita, saudável e educada. A plaquinha de latão com o seu nome: Ailiane – atendente sênior II – em helvética tipo 12  em breve poderia se candidatar a supervisoria da sua seção, "Mais quinhentos clientes, Senhor, míseros quinhentos míseros aposentados loucos por um empréstimo que não precisam!" 

Encheu-se de orgulho, estufou o peito, secou o rosto, passou mais um pouco de batom e tirou o excesso no papel azul da advertência. “Chega, acabou. Você saiu da minha vida Simon”, repetiu. Foi direto para a baia THX-1138, apenas olhando em frente, seca. Retomou o trabalho automaticamente e todos pareceram não se importar com ela desde que voltara do banheiro – a impressão que dava, era que nada demais tinha acontecido, já estavam todos absortos pelo lcd-hipnose de seus monitores. Ao menos um estava desperto, o “morador” da baia LHC-010 a sua esquerda, ergueu-se lentamente e olhou para Ailiane, balbuciou alguma coisa, ela não ouviu ou não quis tomar conhecimento do gesto, manteve-se fiel ao que fazia no teclado: digitou uma proxy conhecida para burlar a restrição do seu Orkut, Facebook, Twitter, MSN e mais uma infinidade de sites. Em cada um deles foi deletando, excluindo, bloqueando o usuário Sim_82, seu namorado, o habitante da baia LHC-010, aquele a sua esquerda, ignorado sumariamente há minutos, e motivo do seu ataque o mesmo ataque que à noite já estaria upado no youtube, por algum dos amigos do trabalho - "Qual celular a teria gravado? Um iPhone, quem sabe..." E a cada janela que pulava na frente de Ailine perguntando: Deseja mesmo excluir este usuário?”, ela sem aflição alguma, simultaneamente apertava o “Sim” da morte de Simon repetindo baixinho: “Tirei você da minha existência; “Sim”. “Tirei você da minha existência...” Sim...”

Ailiane repetiu a frase 54 vezes (só naquele dia), ainda era segunda-feira.



--- 
Este conto é um versão resumida e apócrifa do conto Favos de escritório & baias de colmeia pertencente ao meu segundo livro, previsto para 2011.

E não percam! Ainda esse mês o início do folhetim virtual A balada imprevidente de Alice & Alex e para saber o que te espera, amigo e amiga leitores, clique aqui (e se arrependa).

7 comentários:

Geraldo Lima disse...

Mauro, esse seu livro de contos promete. Adorei essa versão resumida e apócrifa do conto Favos de escritório & baias de comeia. (Que título!). O nosso presente, mostrado aí, já é de uma sociedade distópica. A referência ao filme do George Lucas, THX-1138, reforça isso. O trecho do folhetim também nos deixa com água na boca. Acho que vai bombar.

Parreira disse...

Pobre Ailiane! Quero ver ela deletar o 'meliante' do coração...

Anônimo disse...

Ailiane com uma grande tesoura virtu-digital.

Anônimo disse...

ótimo, parabéns!

Unknown disse...

Geraldo: Opa! Obrigado Geraldo, tomara que fique bacana o livro. Na mosca quanto a distopia! a intenção foi essa mesma, de ressaltar a frieza e o distanciamento das relações de hoje.

Parreira: Talvez (re)formatando o coração... :)

André: um ctrl+x, sem direito a ctrl+v vlw!

Anônimo: obrigado!

Márcia Luz disse...

Sabe aqueles programinhas que a gente deleta, pensa que resolveu, daí a pouco encontra um danado de um iconezinho lá de novo... os rastros... ah! os backups...

Há certas coisas para as quais o único remédio é inutilizar o IP.

Guilherme disse...

Caro Mauro,

Excelente seu contículo.
Só um detalhe: ao acessar seu site, meu antivírus acusou presença de seres nocivos, serão seus vermes rastejantes alguma variante virótica?

Abraço.