16 de fev. de 2010

Fábulas

Por Mauro Siqueira
.
Ela era uma princesa, como muitas dessas por aí... a sua adversidade era a de dormir e dormir e dormir (narcolepsia?) até que o Belo Príncipe a despertasse com o beijo sincero do amor sincero. Anos e anos se passaram até que o tal se apresentasse, era o ano de 2009.
Observou as heras e vinhas, espinhos, liquens, musgos que guardavam o seu catre. Uma menina inocente. Ele se aproximou e ficou fatalmente encantado, tocou-lhe o rosto sereno com cuidado... o cabelo louro numa mecha crescida cobria os olhos e descia até tocar o chão de um mármore agora velho. Com a ponta dos dedos, tocou-lhe os lábios róseos com cuidado: parecia... morta. Deu tapinhas no rosto. Parecia morta. Mais fortes. Parecia morta. “Ei?” Parecia morta. A bela princesa era muito bonita e bem feita. Parecia morta. (narcolepsia?) Suas roupas fora de moda estavam apertadas e gastas, rasgando e puindo em várias partes – os ombros e braços à mostra, os tornozelos e canelas, o colo à mostra. A princesa crescera naquele cárcere de panos e rendas.
O Belo Príncipe nunca amara, nunca tivera um amor vivo (necrofilia?), ninguém desse mundo lhe dava prazer (necrofilia?) saiu aí, no mundo, numa busca muda e intempestiva, no seu Mustang® branco.
Tocou-a, quase sem tocar, apenas passeando com a mão, os ombros, os braços, os tornozelos, as canelas, parecia morta. Parecia morta... Passou a sua mão mais uma vez por aquele rosto cândido e aqueles lábios pios; inclinou-se, quase lhe tocando, disse no afã de ser ouvido: “I wish I could eat the salt of your lost and fading lips.”
O som que fazia era excitante: as roupas praticamente se desfaziam ao toque de tão velhas que estavam: tocou-lhe os seios. E todo o resto. (Mas não lhe deu nenhum beijo.)
Como num arpejo, seus movimentos, não simultâneos, mas muito sincronizados e disciplinados davam contam dos seus intentos – afinal, era um príncipe. Não parou até os homens de branco do sanatório perceberam mais uma vez a ausência dele, o necrófilo, e irromperem pelo quarto da menina narcoléptica e o arrancarem com autoridade e vigor de lá, não sem muita diligência e trâmite, aplicando inúmeras seringas no seu pescoço e braços até ele adormecer.
A bela, ali adormecida, não acordou. Já não era mais uma princesa inocente, cândida e pura e... e aquela lágrima que brotara silenciosa, tão muda quanto ela, não podia dizer nada, deixando àqueles que escrevem a incumbência de (re)contar essa bela história pelo tempo.
.

8 comentários:

Artur Lins disse...

Senti um sabor de Berenice, do Poe. Gostei.

Parreira disse...

Fábula escura, sim. Envolvente. E muito boa a trama.

Anônimo disse...

Um fábula moderna, com certeza, e muito bem contada.

Pedro B. M. Serrano disse...

gostei bastante.


mas deixo minha crítica por não aceitarem comentários anônimos?

Unknown disse...

É pela surpresa dos seus finais que eu sempre volto a te ler (Só isso, o comentário é só esse. Porque os textos que mais me tocam são justamente os que me deixam sem nada a dizer. E esse, esse é um deles.)

Unknown disse...

@Artur, obrigado pelo comentário! Fiquei curioso com a menção à Poe, li-o menos que queria (e devo) e esse pouco que li ficou na adolescência e não me lembro bem desse conto, se cheguei a lê-lo.

@Parreira e @Pedro, obrigado a vocês também!

Unknown disse...

@Milena: Obrigado mais uma vez pelo comentário e pela leitura. e olha, eu gosto muito do silêncio, então entendo o que quer dizer.

Anônimo disse...

“I wish I could eat the salt of your lost and fading lips.” Interpol, muito bom! A citação caiu como uma luva! E que continho pavoroso, hein? :)